sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Irmãs Missionárias Scalabrinianas discutem
organização e a vida da Congregação



Pe. Carlos Palácio, sj, ao concluir o momento de assessoria sobre “Liderança como dom e serviço”, no Encontro do Governo Geral com os Governos Provinciais, na tarde do dia 25 de agosto, afirmou: “é preciso voltar ao seguimento autêntico a Jesus Cristo, para que as pessoas se desenvolvam com qualidades evangélicas”. Acentuou que um ato de coragem é fazer a passagem de um governo tradicional para um governo de mudança, porém, para isso é preciso que as pessoas que estão em governo façam essa transição, enfatizou.
Uma das modalidades visando a aplicação prática do estudo e reflexões realizados durante os dois primeiros dias, foi o trabalho realizado em grupo por Províncias, a partir das seguintes orientações: aspectos que iluminam o exercício da liderança; estratégias para a qualificação e ações prioritárias a serem inseridas no Programa das Províncias conforme Programação Geral do Sexênio 2013-2019.
Momento significativo e enriquecedor foi a partilha que cada Província realizou referente aos aspectos significados e os que estão previstos; os programas sobre o reencantar-se por Jesus Cristo e humanizar as relações.
Seguindo a programação do encontro do Governo Geral com Governos Provinciais foi dedicado um tempo para as comunicações do Governo Geral referentes ao apostolado, atualização do Direito Próprio, formação, projetos e eventos congregacionais, área da comunicação e secretaria.
Nos próximos dias acontecerão reuniões por áreas específicas: apostolado, formação, economia, secretária, superiora geral e superioras provinciais, entre outros assuntos, conforme previstos na agenda do encontro.
Agradecemos imensamente a todas as irmãs que por meio da oração e de mensagens enviadas estão em sintonia e comunhão pelo bom êxito desta realização congregacional.
Ir. Elizabeth Pedernal. Ir. Theresa Mushiya e Ir. Nyzelle Dondé

Equipe de Comunicação


Porto Alegre acolhe o Encontro internacional das Missionárias Scalabrinianas
Encontro do Governo Geral com os Governos Provinciais



A abertura do Encontro do Governo Geral com os Governos Provinciais das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas teve início no dia 23 de agosto, na Casa de Eventos Capuchinhos, em Porto Alegre- RS- Brasil, e se estende até dia 30.

As Irmãs participantes foram acolhidas pela Ir. Analita Candaten, Superiora Provincial da Província Cristo Rei, com sede em Porto Alegre, fazendo alusão ao nome da capital gaúcha. “Sintam-se acolhidas como se estivessem chegando em um “Porto seguro” e restaurador e votos de um encontro pleno de alegria”, afirmou Ir. Analita.
Nas palavras de abertura, Ir. Neusa de Fátima Mariano, Superiora Geral, assim se pronunciou: “somos um grupo expressivo e trazemos presente conosco a vida, as inúmeras realidades e situações presentes na Congregação, em nossas Províncias e comunidades, ao mesmo tempo a universalidade e a beleza do nosso ser consagrado e missionário como Irmãs Missionárias Scalabrinianas, no serviço aos migrantes e refugiados”.

Ressaltou ainda, Ir. Neusa, que este evento é uma oportunidade de fortalecer a comunhão e mostrar a riqueza da diversidade realizada na missão Congregacional.


Durante os primeiros dois dias, Pe. Carlos Palácio, sacerdote jesuíta, esteve assessorando o encontro, refletindo sobre o tema da “Liderança como dom e serviço”, com o objetivo de favorecer o aprofundamento e confronto do serviço da Liderança na Congregação e elementos que iluminem a vida religiosa apostólica.

Pe. Palácio, em suas colocações afirmou, que a função da autoridade na vida apostólica, tem como horizonte a missão. O horizonte do governo é estar a serviço das pessoas que estão atuando na missão a elas confiada, enfatizou.
Observou também que os governos, em seus níveis, da Congregação tem uma importância fundamental: manter a unidade dos seus membros, mesmo dispersos em missão. Outro aspecto foi em relação à obediência, que dispõe a todas colocar-se no horizonte da missão e buscar juntas a vontade de Deus.

Participam deste evento, 32 religiosas de diversas nacionalidades: Brasil, Itália, República Democrática do Congo, Filipinas, Portugal, Paraguai, México e USA. Atualmente a Congregação das Irmãs Missionárias Scalabrinianas estão presentes em 27 países, em quatro continentes, desenvolvendo atividades especialmente com os migrantes e refugiados.



Ir. Elizabeth Pedernal, Ir. Theresa Mushiya
e Ir. Nyzelle Dondé
Equipe de Comunicação


sábado, 15 de agosto de 2015

UM TEMPO DE GRAÇA!

Com alegria usamos este espaço inicial do informativo para descrever sobre a experiência vivenciada durante o nosso “Encontro de Julho” com a realização do retiro, da celebração do jubileu de Ir. Maria Divina Fernandes e, mesmo não estando presente, da Ir. Maria Ozânia da Silva, da Assembleia Provincial, acompanhada de festa e de reuniões.
Oi que prazer que alegria o nosso encontro de Irmãs. É como um banho perfumado, gostosa é nossa união! Assim cantamos acolhendo-nos no início do retiro, expressando a alegria do encontro e o Encontro com o Amor Maior!
Na força e luz do Espírito Santo
Iluminaram-se as mentes e os corações
Padre José Cobo, coração pobre e alegre.
Irradiou a alegria do Evangelho com testemunho, sabedoria e emoção!
Como não reencantar-se por Jesus Cristo?
No encontro com Ele renasce a alegria!
Como não seguir seu caminho, seu projeto?
Percorremos a estrada com Jesus de Nazaré!
Entendemos a lição de partilhar tudo o que temos recebido de Deus!
A comunidade é um dom de Deus!
Acolhe-la como dom, lugar de amor e de perdão!
De serviço, doação e missão!
Viver a alegria de ser consagrada!
Sentir a alegria de ser filha amada e agraciada do Pai.
Convidada a ENTRAR no Reino! Dom de Deus!
Tornar-se sempre mais irmã dos migrantes, dos pobres.
O único caminho para ser pobre é viver do amor de Deus em todo o momento e desfrutá-lo!
Gestos simples de amor são mais importantes que grandes acontecimentos.
Se eu não rezo constantemente não amo!
Senhor,
Livra-nos do estilo de vida religioso capitalista!
Livra-nos da competição, do secularismo,
Da indiferença, da inveja,
Da tentação de desviarmo-nos do amor de Deus
De não ver o outro como filho amado de Deus e irmão! Irmã!
Da incapacidade de escutar
Do desanimo no serviço aos irmãos.
Do fechamento em si mesmo
Da tentação em não confiar que Deus me dá todo o amor.

Uma nova comunidade é possível, porque Deus caminha humildemente conosco!
O que levo na missão é a experiência que tenho de Deus!
Que o migrante conheça o amor de Deus em sua vida.

Oh que grande alegria e contentamento!
Celebrar o jubileu dos 25 anos de consagração
Renovando o sim da opção
Reafirmando a alegria de ser religiosa scalabriniana
Te damos graças Senhor pelo dom da Vida Consagrada
Este ano a ela dedicado.

Estar em Assembleia é um grande momento:
Conhecer, participar e assumir a vida partilhada e programada para o grupo,
Contemplando as orientações capitulares.
Colocando-se em processo de formação espiritual e relações fraternas.
Assumindo com ardor o projeto missionário da Província.
Envolvendo-se com convicção no caminho e projeto de animação vocacional.
Testemunhar o uso racional e evangélico dos bens econômicos que temos, fazendo a diferença.
Cuidar de si no processo de amadurecimento humano.
Preparando o Ano Jubilar da Província, sobretudo com atenção ao Espírito Santo que faz o futuro e renova a história!


Vai minha irmã! Lá nas tuas Galileias anunciarás com alegria Jesus Cristo e o seu Evangelho, servirás os migrantes, os pobres, os excluídos do banquete da vida. Falarás com quem nunca andou ou não andará mais contigo. Tu te aproximarás com muito carinho do povo que tem múltiplas culturas e diferentes tradições. Oferecerás com gratuidade o testemunho de tua fé, de tua esperança e de teu amor.  O SENHOR TE ESCOLHEU, TE CONSAGRA E TE ENVIA, VAI COM SUA BENÇÃO!   Ir. Zenaide Ziliotto, mscs, Superiora provincial.



sábado, 6 de junho de 2015

Irmãs Scalabrinianas

Irmãs Scalabrinianas: “Laudato Sie” (Louvado Seja) deverá ser o título da nova encíclica do Papa Francisco a ser lançada no dia 16 de junho
Foi informado que a muito esperada carta encíclica do Papa Francisco sobre questões ambientais terá como título “Laudato Sie” (1), expressão tirada de uma oração de São Francisco de Assis que louva a Deus pela criação das diferentes criaturas e dos elementos da Terra.
O título da carta encíclica foi primeiramente informado no Twitter neste sábado pela jornalista de língua espanhola Mercedes De La Torre. Ela estava participando de um evento realizado pela Libreria Editrice Vaticana, a casa editorial do Vaticano responsável por imprimir os documentos oficiais.
O título não foi confirmado, mas uma foto postada por De La Torre mostra o diretor da casa editorial, o padre salesiano Giuseppe Costa, falando durante o evento.
A informação é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 30-05-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.
A encíclica por vir do Papa Francisco, que deverá ser publicada em meados de junho, vem sendo amplamente esperada em todo o mundo pela postura que irá assumir diante das alterações climáticas globais. Geralmente, as cartas encíclicas são consideradas uma das formas mais altas do ensinamento de um papa.
A frase “Laudato Sii” repete várias vezes no Cântico das Criaturas também conhecido como Cântico do Irmão Sol de São Francisco, uma oração que louva a Deus primeiramente agradecendo-o por criações como o “Irmão Fogo” e a “Irmã Água”.
Escrito por volta de 1224, a oração é tida como uma das primeiras obras publicadas de literatura na língua italiana então em desenvolvimento em oposição ao latim.
“Louvado sejas, ó meu Senhor, com todas as tuas criaturas, especialmente o meu senhor irmão Sol”, escreveu São Francisco na terceira estrofe da oração. Em seguida continuou, expressando louvor a Deus pela “irmã Lua”, pelos “irmãos Vento e Ar”, pela “irmã Água”, pelo “irmão Fogo” e pela “Mãe Terra”.
Segundo o jornal La Croix, 31-05-2015, a encíclica será publicada no dia 16 de junho.
“Laudato Sie” (Louvado Seja) deverá ser o título da nova encíclica do Papa Francisco a ser lançada no dia 16 de junho
Foi informado que a muito esperada carta encíclica do Papa Francisco sobre questões ambientais terá como título “Laudato Sie” (1), expressão tirada de uma oração de São Francisco de Assis que louva a Deus pela criação das diferentes criaturas e dos elementos da Terra.
O título da carta encíclica foi primeiramente informado no Twitter neste sábado pela jornalista de língua espanhola Mercedes De La Torre. Ela estava participando de um evento realizado pela Libreria Editrice Vaticana, a casa editorial do Vaticano responsável por imprimir os documentos oficiais.
O título não foi confirmado, mas uma foto postada por De La Torre mostra o diretor da casa editorial, o padre salesiano Giuseppe Costa, falando durante o evento.
A informação é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 30-05-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.
A encíclica por vir do Papa Francisco, que deverá ser publicada em meados de junho, vem sendo amplamente esperada em todo o mundo pela postura que irá assumir diante das alterações climáticas globais. Geralmente, as cartas encíclicas são consideradas uma das formas mais altas do ensinamento de um papa.
A frase “Laudato Sii” repete várias vezes no Cântico das Criaturas também conhecido como Cântico do Irmão Sol de São Francisco, uma oração que louva a Deus primeiramente agradecendo-o por criações como o “Irmão Fogo” e a “Irmã Água”.
Escrito por volta de 1224, a oração é tida como uma das primeiras obras publicadas de literatura na língua italiana então em desenvolvimento em oposição ao latim.
“Louvado sejas, ó meu Senhor, com todas as tuas criaturas, especialmente o meu senhor irmão Sol”, escreveu São Francisco na terceira estrofe da oração. Em seguida continuou, expressando louvor a Deus pela “irmã Lua”, pelos “irmãos Vento e Ar”, pela “irmã Água”, pelo “irmão Fogo” e pela “Mãe Terra”.
Segundo o jornal La Croix, 31-05-2015, a encíclica será publicada no dia 16 de junho.


sexta-feira, 5 de junho de 2015

NOVA ENCÍCLICA DO PAPA SOBRE ECOLOGIA SERÁ PUBLICADA DIA 18 DE JUNHO

A Sala de Imprensa da Santa Sé divulgou hoje, quinta-feira, 04, que a data da publicação da próxima Encíclica de Francisco sobre a ecologia será no dia 18 de junho. Proximamente, a Sala de Imprensa informará a modalidade com a qual a Encíclica será apresentada ao público e o título oficial do documento.
Antes da Semana Santa, no início de abril, o Papa Francisco reduziu seu ritmo de trabalho para se dedicar à revisão da última versão de sua Encíclica. O documento vai abordar as questões do cuidado com a Criação, da ecologia humana e da proteção do meio ambiente.
Anúncio
No dia 15 de janeiro, no voo de volta do Sri Lanka e Filipinas, o Pontífice anunciou aos jornalistas que o acompanhavam que dedicaria a última semana de março a este importante documento: “Se tudo der certo, a Encíclica poderá ser publicada em junho ou julho. O importante é que haja tempo entre a publicação e a Cúpula de Paris, em dezembro, para que possam ocorrer contribuições”, explicou.
“É preciso cuidar da Terra para evitar sua autodestruição”, disse Francisco à comunidade internacional em novembro de 2014, durante a II Conferência sobre Nutrição da FAO, realizada em Roma. Em tuíte publicado sobre o tema, denunciou que “a questão ecológica é vital para a sobrevivência dos seres humanos e tem uma dimensão moral que atinge a todos”.
Esta será a primeira Encíclica a ser escrita exclusivamente pelo Papa Francisco, pois a primeira ("Lumen Fidei", ou "Luz da Fé"), havia sido preparada por Bento XVI, antes de renunciar em 2013, e redigida a quatro mãos.

Seminário da VRC em Roma/Itália

Formadores e FormadorAs participam, em Roma, do Congresso Internacional de 8 a 11 de abril - 2015.

“Que o Filho de Deus já formado em você cresça para se tornar grande. Ele será para você um sorriso, uma exultação, uma plenitude da alegria que ninguém lhe poderá tirar”. (Isaac de Stella)

Na celebração do Ano da Vida Consagrada, a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de vida Apostólica, presidida pelo Cardeal João Braz de Aviz, reuniu em Roma cerca de 1.260 formadores e formadoras, na sua variedade de carisma, cultura e língua para refletir sobre os fundamentos da identidade da vida consagrada na Igreja e no mundo e sobre as exigências formativas em contextos contemporâneos.

A Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas marcou presença com a participação das Irmãs: Etra Modica (Itália), Animadora Geral da Formação; Therèse Mushiya Mwamba (África), Conselheira e Mestra das Noviças-Província São José; Vijaya Stella John Joseph (Índia) juniorista a Roma; Maria Grace Mirabel (Filipinas), Pastoral Vocacional, ambas Província Nossa Senhora de Fátima; Ana Paula F. da Rocha (Brasil), Responsável do Juniorato Congregacional, Acilia/Roma.

O encontro teve o seguinte tema: Formados à vida consagrada no coração da Igreja e do Mundo. O lema: Viver em Cristo segundo a forma de vida do Evangelho. O Congresso iniciou com a vigília de oração conduzida pelo cardeal José Rodriguez Carballo (OFM), secretário da Congregação. Dividido em cinco sessões de palestras e um seminário, o encontro abordou os aspectos da missão dos consagrados, à luz de passagens bíblicas, em um mundo cada vez mais indiferente ao Evangelho. Os formadores eram divididos em pequenos grupos linguísticos, ao redor de uma mesa, favorecendo a troca de experiências e a dinâmica de pequenas comunidades, assim denominados pelos moderadores do Congresso: Padre Amedeo Cencini e Irmã Iolanda Kafka.

O Congresso desenvolveu em forma orante, pois as liturgias eram bem dinamizadas durante a jornada e, sobretudo, a acolhida da Palavra através da leitura orante conduzida pela Irmã Nuria C.Benages e Pe.Gargano Innocenzo. A escuta orante da Palavra é fundamental para a missão do formador e da formadora na missão de formar-se e “formar” segundo a forma de vida do Evangelho, para serem homens e mulheres realmente livres; amadurecer a própria identidade para poder dialogar com todas as culturas e se tornar, no hoje dos fluxos migratórios, sinal profético de acolhimento e de comunhão.
As conferências desenvolvidas no congresso insistiram muito na importância da formação continuada, da formação dos formadores e o discernimento das motivações vocacionais dos candidatos e candidatas à vida consagrada.  O congresso serviu para tomar consciência do dom de ser formadora, pois nem sempre é fácil ver a formação e o ministério de formadores como um dom gratuito de Deus na evangelização de nossa humanidade.

No congresso tivemos a oportunidade de encontrar em audiência o Papa Francisco na Aula Paulo VI o qual ressaltou: “Sejam testemunhos, não somente ‘mestres’. Diante de uma relativa diminuição quantitativa de religiosos no mundo, parece sempre mais urgente a tarefa de uma formação que plasme de verdade no coração dos jovens o coração de Jesus, afim  de que tenham os seus mesmos sentimentos. Não tem crise vocacional onde tem consagrados capazes de transmitir, com o próprio testemunho, a beleza da consagração:  O testemunho é fecundo, se não tem um testemunho, se não tem coerência, não terão vocações. É este testemunho que sois chamados. Este é o vosso ministério, a vossa missão. Não sois somente ‘mestres’, sois sobretudo, testemunhos do seguimento de Cristo no vosso próprio carisma”.

Diante do que ouvi e da minha experiência aumenta a minha convicção de que a formação precisa percorrer este caminho da evangelização do coração, somente assim, seremos formadas com os mesmos sentimentos de Cristo e conscientes de que a formação não são etapas definidas, mas uma tarefa que dura à vida toda.  Portanto, a formação é sempre um convite a amadurecer a docibilitas – literalmente significa: liberdade ou disponibilidade da pessoa em deixar-se instruir-formar; habilidade de aprender a aprender para encontrar-nos como uma pessoa disponível, que se deixa formar sempre, num processo de formação inicial e continuada. Concluo com uma expressão de P.Cencini: “quem não entende que a formação é contínua, vive uma frustração continua”.  Irmã Ana Paula Ferreira da Rocha, mscs. Responsável das Irmãs Junioristas, Acilia, Roma, Abril 2015.



Seminário Nacional da Vida Religiosa Consagrada

Seminário Nacional da Vida Religiosa Consagrada

 Partilhando a experiência do Congresso Vida Religiosa Consagrada
“Não ardia o nosso coração quando Ele nos falava no caminho?” (Lc 24, 29). Foi o que cada uma vivenciou ao participar do Congresso da Vida Consagrada, nos dias 7 a 10 de abril, em Aparecida SP, encontrar com a diversidade de congregações, muitas manifestações de compromissos, de acolhida ao amor de Deus. Estavam presentes mais 2.100 religiosas (os) de todo Brasil, refletindo temas centrais para a vida religiosa, acreditando um no outro, na vocação e convocados (as) enviados (as) à missão, na riqueza dos carismas e da intercongregacionalidade.
 A espiritualidade é uma dimensão fundamental do ser humano. Inspirados por Jesus Cristo, somos convidados (as) a refletir e viver uma espiritualidade unida ao Pai e presente na construção do Reino de Deus; a sermos peregrinas vigilantes, místicos militantes profetas de uma Igreja em saída.
A experiência do mistério à mistagogia, nos ajuda refletir o sentido da vida, para que? Dando significado e busca em fazer experiência de Deus, deste mistério, onde se faz presente o Cristo ressuscitado. Aprofundando a mística de olhos abertos, com a vida de quem sabe o porquê, vivencia e reinventa o novo e o como? Isso nos provoca a realizar uma nova experiência.
A partir da esperança para alegria, surgem às oportunidades, possibilidades e perspectivas para Vida Religiosa Consagrada no mundo contemporâneo. Ver com olhar mais positivo os desafios e oportunidade- ver e sentir Deus da vida, mais de perto.
As luzes e esperanças da Vida Religiosa Consagrada na América Latina são confirmadas na alegria, e na perspectiva de sermos enviados (as) em missão junto ao povo que necessita de nossa presença e construir o Reino de Justiça de Fraternidade.

Também, quero partilhar a minha visita a comunidade do noviciado América Latina e Caribe, onde a convivência a e jovialidade marcaram na alegria do encontro e participação. Muito obrigada irmãs: Rozeli, Cristina e Rosa Maria, junto às quatro noviças por essa acolhida, amizade e alegria de sermos da mesma família. Deus abençoe a cada uma, lhe conceda sempre esta abertura ao Espírito e conte com minhas orações pela perseverança e realização do Projeto de Deus em cada uma.  Irmã Rosane Costa Rosa, mscs e Irmã Maria de Ramos Guimarães, mscs.